Pequeno Lebrel Italiano

Origem: Itáliapequeno lebrel italiano2

Tamanho: Pequeno

Área de criação: Pequena

Temperamento: Dócil

Atividade física: Moderada

 

Assim como a maioria dos Galgos, a origem do Italian Greyhound (também chamado de Pequeno Lebrel Italiano) é bastante controversa e historiadores apoiam se em estudos arqueológicos para afirmar que o Italian Greyhound tem cerca de 5 mil anos de existência. Esses estudos baseiam se em frescos e esculturas encontrados na região do Oriente Médio e Ásia. De maneira geral, são considerados a mais antiga (e mais bem sucedida) tentativa de miniaturização de uma raça canina.

Apesar da antiguidade, os historiadores não conseguem chegar a um consenso sobre como este pequeno cão – apelidado de ´pássaro de quatro patas´ teria chegado a Roma, mas acredita-se que o comércio com os fenícios tenha sido a razão mais plausível para a sua introdução na Europa. Alguns autores afirmam que o Italian Greyhound teria chegado a Roma e se tornado uma raça muito popular entre as damas da côrte, através dos gregos, e sustentam que a descrição dos chamados ´cães da lacônia´ corresponde á do pequeno lebrel.

Independente da rota traçada, o fato é que foi em Roma que a raça se desenvolveu de fato e sua presença está bastante bem documentada na região desde o século I a.C, através de documentos e esculturas, como a que pode ser visitada no Museu do Vaticano, na qual mostra um cão sentado numa pose aristocrática e graciosa. Durante o período do renascimento, vários artistas incluiram o Italian Greyhound em seus trabalhos.

Por sua graça e delicadeza, conquistou durante anos um lugar de destaque em várias cortes européias: foi um dos cães favoritos de Frederico I, Catarina de Médicis e Luis XIV. Frederico, o Grande, Imperador da Prússia, tinha um enorme plantel de Italian Greyhound, estimado em pelo menos 30 exemplares. Também em Inglaterra, onde os Galgos sempre foram muito admirados, o Italian Greyhound conquistou uma legião de fãs, especialmente entre os artistas da época, que, provavelmente, conheceram os pequenos galgos em suas viagens à Itália.

pequeno lebrel italiano1

 

Existem dúvidas sobre a função original do Italian Greyhound: se foram utilizados para caçar pequenos animais ou se eram cães de companhia. As duas teorias estão corretas. Muitos Italian Greyhounds têm um forte instinto de caçador. Outros, porém, não o possuem. Desde o século XIX, não são criados com esta finalidade. Eles tornaram-se animais de estimação bastante caseiros, em tempos em que não haviam inventado o aquecimento central, logo seus pequenos corpos quentes eram aconchegantes em uma cama fria.

O primeiro Italian Greyhound foi registrado nos EUA em 1886, mas a raça ainda permanece rara nos dias de hoje. O padrão atual do Italian Greyhound foi elaborado apenas em 1968, quando se determinou a altura máxima de 38cm na cernelha.

Apesar da controvérsia sobre a sua função original, o Italian Greyhound é, sem duvida alguma, um excelente cão de companhia. Apesar do seu tamanho, é um cão ágil e deve ter uma estrutura adequada para suportar os arroubos desportistas deste pequeno cão. A sua constituição física e agilidade faz com que possam praticar desportos como o agility.

É um cão que deve viver dentro de casa e em companhia dos seus donos. Devido á sua constituição física, não é adequado que durma ao relento e, certamente, deve-se evitar as temperaturas muito frias sem que ele tenha uma proteção adequada.

É um cão delicado e sociável. Apesar de ser um galgo, diferentemente do resto da família, é um cão que procura mais constantemente a presença física dos seus donos. O seu relacionamento com crianças é muito bom, mas deve-se ter cuidado para que a criança não tenha atitudes muito bruscas, especialmente com o filhote, evitando assim algum acidente.

Muito alegre e brincalhão, permanece disposto a atividades mesmo quando já é adulto. O seu convívio com outros cães também é bastante tranquilo, mas deve-se tomar cuidado com as diferenças de tamanho entre eles, para evitar que um cão grandalhão possa magoá-lo sem querer durante as brincadeiras.

Pelo seu passado de caça e pela extrema curiosidade que os seus exemplares apresentam, nunca devem ser levados a passear sem guia.

Os filhotes são muito ágeis e brincalhões, donos de uma energia inesgotável. Por isso é muito importante estabelecer  limites bem claros entre o que pode e o que não pode ,e de maneira coerente, sem se deixar ´chantagear´ pelo aspecto frágil e indefeso do filhote.

Apesar do Italian Greyhound não ser ´uma porcelana´ deve-se ter um especial cuidado com quedas e torções, especialmente durante a infância do filhote.

 

pequeno lebrel italiano

 

A sua pelagem muito curta e fina, faz com que as escovações não sejam uma necessidade constante. Este tipo de pelagem também faz com que quase não tenham “cheiro”. A higiene do Italian Greyhound é muito simples e um banho eventual é mais do que suficiente.

O Greyhound possui uma pelagem bem curta e de fácil manutenção. Por essa razão é um cão que dificilmente apresenta cheiro forte, a não ser, claro, que esteja realmente imundo.

As cores da pelagem devem ser sólidas, sendo aceites o preto, o cinzento-ardósia e todas as tonalidades de amarelo-claro. Pequenas manchas brancas são toleradas no peito e nos pés.

 

Segundo estudos dos clubes organizados da raça, os Italian Greyhound apresentam alguma tendência a apresentar problemas como:

    • Hipotiroidismo
    • Atrofia Progressiva da Retina
    • Epilepsia
    • Luxação da Patela

 

 

Algumas poucas linhagens possuem uma pré-disposição à fratura das pernas devido à falta de densidade óssea.

 

 

 

 

Fontes: anuariocaes.com.br / dogtimes.com.br

 

artigos relacionados:

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *