Papillon

Origem: FrançaPapillon puppy

Tamanho: Pequeno

Área de criação: Pequena

Temperamento: Equilibrado

Atividade física: Moderada

 

A história do Papillon é muito antiga. A teoria mais aceite é de que a raça tenha nascido da fusão do já extinto Spaniel Anão da Bélgica com algum cão de raízes orientais. Sinais dessas raízes são a ossatura leve, tamanho diminuto e rabo curvado. A sua primeira representação conhecida é do início do século 14, em frescos de uma igreja de Assisi, na Itália, pintados por Giotto. Frequentou por cerca de duzentos anos as cortes européias, sempre de orelhas caídas. Lá tornou-se muito estimado e um dos seus símbolos, tanto que foi quase dizimado no século 18 pela Revolução Francesa. As orelhas eretas surgiram no final do século 19, perpetuadas por criadores belgas. O nome oficial da raça pela Federação Cinológica Internacional (FCI) é Spaniel Anão Continental. O Papillon é considerado a variedade de orelhas eretas. Há outra variedade de orelhas caídas chamada Phalene (em francês, mariposa). Já nos EUA, Papillon designa as duas variedades.

A raça ganhou novo impulso na França, Bélgica e Inglaterra a partir da Primeira Guerra. É considerada oficialmente como franco-belga.

Até a década de 40, o cruzamento entre Phalenes poderia gerar um Papillon e vice-versa, mas atualmente o acasalamento entre as variedades não é recomendado, pois pode produzir cães com orelhas semi-eretas, que será um defeito grave para a raça.

Ainda na sua origem, tanto os Papillons quanto os Phalenes eram inteiramente de uma côr, como a preta, a vermelha e a amarela-escura. Hoje, essas cores fazem par com o branco, que deve predominar no corpo do cão. Alguns criadores dão preferência aos exemplares que têm o branco em forma de listra, do focinho à cabeça, sugerindo o corpo da borboleta.

papillon

O Papillon foi desenvolvido, essencialmente, para ser um cão de companhia. Por isso, alia um tamanho diminuto, fácil de carregar a um temperamento meigo e tranquilo com jeito garboso.

O Papillon possui certa reserva com estranhos e só aceita um carinho destes após perceber que são bem-vindos pelo dono. Chegam mesmo a mantê-los “sob vigilância”, não permitindo que toquem nos objetos da casa. No entanto, após o primeiro contato, normalmente o Papillon torna-se muito sociável, mas sem ser pegajoso ou inconveniente.

Com outros cães e animais, o Papillon pode conviver praticamente sem restrições. Mas deve-se tomar cuidado com o convívio dele com cães de raças grandes, já que por ser muito pequeno, o Papillon pode se machucar com os movimentos bruscos dos grandões.

Este pequeno cão também se sai bem em agility, desporto em que passa por obstáculos sob comando do dono. Herdou não só agilidade dos Spaniels, como o instinto caçador. Além de excelente faro, mais uma herança dos Spaniels, possui um ouvido aguçado que o torna um bom cão de alarme.

Papillon_dog_agility_jump

Com crianças, todo cuidado é pouco, uma vez que sendo um cão muito delicado e frágil, pode se magoar facilmente em alguma brincadeira mais agitada.

O filhote é frágil a quedas e trancos. Há criadores que receiam vendê-lo a famílias com crianças de até seis anos, já que estas nem sempre sabem medir a força das brincadeiras. Comum às raças pequenas, a garganta do filhote é bem estreita. Portanto, vale a advertência em relação a ossos de couro. Como o material fica macio e fino ao ser mastigado, há chances de engasgamento.

Os filhotes, quando nascem, possuem uma espécie de penugem que persiste até a quarta ou quinta semana de vida. Com dois meses, a pelagem já cresceu razoavelmente.

As orelhas costumam levantar entre os dois e seis meses. O ideal é que, puxadas para frente, não ultrapassem o ponto de encontro entre nariz e testa, caso contrário terão maior dificuldade em levantar.

A pelagem do Papillon não requer grandes cuidados e é fácil de ser tratada. Como o cão não tem subpêlo, responsável em outras raças pelos nós mais difíceis de desfazer e não sendo muito longa no corpo, bastam escovação semanal e banho quando estiver sujo. Outra vantagem é que não passa por períodos de troca intensiva de pêlos.

A pelagem do Papillon só atinge o seu comprimento máximo por volta dos 18 meses.

O Papilon apresenta alguma tendência especial a desenvolver problemas genéticos que, nos Estados Unidos, são bastante controlados e acompanhados pelo Clube nacional da raça. A raça é sensível a anestésicos. O motivo, segundo informam os dois veterinários norte-americanos entrevistados, é a ossatura porosa do Papillon que absorve intensamente o produto e causa facilmente sobredosagem. Se for preciso submetê-lo a uma cirurgia, é essencial usar um anestésico de reversão rápida.

Os problemas de saúde mais comuns são :

  • Luxação da patela (rótula, osso móvel do joelho) – mal congênito mais frequente. Os cães que sofrem deste problema deslocam facilmente a rótula. Causa dor, inflamação local e dificuldade de movimentação. Pode-se corrigir com cirurgia.
  • Outro mal que ocorre na raça, mais raramente, é chamado em inglês de liver shunts. O cão não se desenvolve bem e fica abatido devido a um mau funcionamento do fígado. A cura é cirúrgica.
  • Fontanela aberta (moleira) – que torna os cães mais vulneráveis a pancadas.
  • Atrofia progressiva da retina –  Consiste na perda gradual da visão a partir dos seis ou sete anos e causa cegueira. Só é detectável após o aparecimento, quando o cão demonstra não enxergar bem.
  • A raça é sujeita a Alergias, que ocorrem por herança genética. As manifestações alérgicas podem ter diversas causas, desde picadas de insetos a remédios. As conseqüências vão de coceiras a reações violentas, às vezes fatais.

 

 

 

 

Fontes: anuariocaes.com.br / dogtimes.com.br

artigos relacionados:

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *