Desparasitação do Cão

Porque a desparasitação é importante?

 

white_labrador_dog_2_197421

 

Um dos principais cuidados básicos de saúde a ter com o seu cão é a desparasitação. Os cães podem ser infestados com vários tipos de parasitas: os externos (ectoparasitas) geralmente animais, como as pulgas, carraças, ácaros e piolhos. Existem também os parasitas internos (endoparasitas), que se alojam essencialmente a nivel do tubo digestivo.

 

Parasitas externos

Os dois principais parasitas externos dos cães são:

Pulgas – são pequenos animais pertencentes à classe dos insectos. Existem centenas de espécies de pulgas, sendo que só algumas são parasitas do cão.

Se as condições forem ideais (proliferam-se preferencialmente nos meses mais quentes), as fêmeas podem colocar entre mil a dois mil ovos, que se irão alojar não só no pelo do cão como por exemplo em tapetes e carpetes. Quando os ovos eclodem e após várias metamorfoses, surge a pulga adulta, que é o parasita definitivo.

A pulga irá então alimentar-se do sangue do cão, perfurando a pele deste através das suas peças bucais.

Existem várias doenças provocadas pela picada da pulga. Para além da comichão que provocam, os cães estão sujeitos a terem uma reacção alérgica a essa picada, provocando-lhe queda de pêlo, um prurido intenso e feridas devido ao cão coçar-se. As pulgas podem também ser agentes transmissores de vários agentes patogénicos e parasitas.

Carraças – são animais da classe dos aracnídeos, de cor geralmente vermelho-acastanhada, corpo achatado, e nas quais é possivel distinguir o macho da fêmea, tendo estas um abdómen de maiores dimensões.

Tal como as pulgas, as espécies de carraças que sáo parasitas dos cães alimentam-se do sangue deste, fixando as suas peças bucais na pele e inoculando uma saliva especifica que solidifica e ajuda a carraça a fixar-se. Para além do incómodo que elas provocam no animal, as carraças podem transmitir doenças como a Babesiose e a Erlichiose (a febre da carraça).

 

Parasitas internos

Estes parasitas afectam normalmente o esófago, estômago e intestinos grosso e delgado, havendo parasitas específicos para cada zona do tubo digestivo, existindo vários géneros e espécies, como as ténias e as lombrigas, os vulgarmente conhecidos por “vermes”.

Alguns dos sintomas de que o cão tem parasitas internos são: vómitos, diarreia (nos quais muitas vezes são visíveis os parasitas), emagrecimento (por exemplo no caso dos cachorros pode-se verificar um certo inchaço na zona abdominal e anemia ).

Estes parasitas podem ser transmitidos através da ingestão dos seus ovos (encontrados na água, comida, etc), transmitidos pela mãe aos cachorros ou através de hospedeiros intermediários, como as pulgas.

Prevenção/Tratamento

A melhor maneira de evitar que o seu cão tenha parasitas tanto externos como internos é mesmo prevenir! Visto que eles podem apanhá-los em qualquer local, como relvados, passeios ou em contacto com outros animais convém não só utilizar produtos específicos para endo e ecto parasitas como também manter o local onde o cão habita em boas condições de higiene.

No caso dos parasitas externos, existem vários anti-parasitários disponíveis no mercado, que podem ser específicos para um só parasita, ou para vários, na forma de coleiras, champôs, sprays, comprimidos, ampolas, etc, sendo que alguns donos optam por utilizar mais do que um produto ao mesmo tempo, entre as várias marcas referimos: Pulvex spot, Frontline, Advantage, Advantix, Program, entre outros.

É igualmente de referir que nem todos os produtos agem com a mesma eficácia em todos os cães, e que nenhum é 100% eficaz. Podendo inclusive haver reacções alérgicas por parte dos cães a alguns produtos. Aconselhe-se com o medico veterinário do seu cão em relação a eventuais duvidas.

Quanto às desparasitações internas, convém que sejam sempre orientadas pelo veterinário.

Usualmente são administrados comprimidos, como por exemplo o Drontal plus, num plano de 4 em 4 ou de 6 em 6 meses. No caso dos cachorros, estes poderão ser desparasitados a partir das 2 semanas e depois uma vez por mês, até completarem 6 meses.

 

 

 

Fonte: União Zoofila

artigos relacionados:

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *