Bichon Frisé

Origem: FrançaBichon frise

Tamanho: Pequeno

Área de criação: Pequena

Temperamento: Dócil

Atividade física: Moderada

 

O Bichon Frisé, também conhecido como ‘Tenerife”, tem uma origem bastante controversa e antiga. Parece ser consenso entre os historiadores que o Bichon tenha surgido nos países do Mediterraneo, especialmente na Itália. Segundo estes cinólogos, o Bichon teria surgido a partir do cruzamento do Poodle com o Maltês.

Outras correntes, afirmam que o Bichon teria sua origem na ilha de Tenerife, pertencente ao arquipélago das ilhas Canárias na costa da Espanha.

A sua disseminação na Europa ocorreu por volta do século XV, quando passou a ser adotado pelas famílias reais. O rei Henrique III, adorador de cães pequenos e peludos, o adotou entre os seus preferidos e grandes eram os ‘gastos’ com os seus pequenos, que chegou a causar polémica entre os demais membros da corte. Por sua influência, os bichons tornaram-se praticamente obrigatórios nas cortes européias, até Napoleão III, quando começou a decair na preferência da nobreza e, simultaneamente, atrair as atenções das famílias ‘comuns’.

 Com a primeira Guerra Mundial, a criação foi severamente ameaçada e diante do risco de extinção, o Kennel Club Francês empreendeu grandes esforços no sentido de recuperar a raça, que foi reconhecida oficialmente em 1934 e internacionalmente apenas nos anos 70 (em 72 pela FCI e em 73 pelo AKC).

O Bichon é um cão extremamente ativo, divertido e amistoso, sempre disposto a procurar agradar ao dono e estar em sua companhia. Expansivo e alegre, é muito sociável com as pessoas e outros cães.

Pelas suas qualidades de cão de companhia, o bichon é muito usado como auxiliar em terapias humanas que envolvem a presença de animais. O seu tamanho e aspecto ajudam no relacionamento com os pacientes enfermos, que são estimulados pela sua aparência e docilidade.

Apesar do tamanho e aspecto de peluche, é um cão que assume perfeitamente um papel ‘desportista’, participando com sucesso em competições de agility, flyball, entre outras. Gosta de ter espaço para correr e brincar.

O Bichon tem também um especial talento para travessuras, o que pode surpreender quem adquiriu o cão apenas por sua aparência. Apesar de adaptar-se muito bem a apartamentos, os Bichons precisam gastar a sua energia em passeios diários. Mesmo sendo um cão de aparência frágil, aguentam facilmente longas caminhadas ao lado do dono.

Os Bichons devem perceber desde cedo, quais os limites para as suas travessuras. São cães que costumam aprender logo o lugar correto para fazer suas necessidades.

Se for preciso deixá-los por longos períodos sozinhos, os donos devem acostumá-los desde a fase de filhote incentivando-o a não latir nos seus períodos de ausência. Mas o principal para o sucesso de uma boa educação será a postura dos donos que não devem deixar-se levar pelo aspecto frágil do filhote, mimando excessivamente o cão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Até os 4 meses o Bichon tem o pêlo de ‘filhote’, que deve, como o poodle, ser tosado completamente (menos o rabo) para que então seja substituído pela pelagem mais encaracolada do Bichon adulto.

Há filhotes que nascem com manchas abricó, creme ou cinza nas orelhas e, eventualmente, no corpo, que podem ou não sumir com o tempo, alguns meses ou anos depois. A FCI pede branco puro e o AKC aceita as manchas se não ultrapassarem cerca de 10% do corpo.

Quando  for escolher um filhote, deve-se observar a posição da cauda que é portada erguida, curvada sobre o dorso, sem tocá-lo, e nunca enrolada.

Outra questão importante ao adquirir um filhote é não se enganar com anúncios que oferecem exemplares “micro”. Segundo criadores, adultos com menos de 20cm podem apresentar distorções físicas, como focinho bicudo, olhos saltados e cabeça maior e desproporcional ao corpo e alterações de temperamento ou saúde.

A altura considerada mínima, para a raça manter proporções corretas, é estipulada pelo AKC – American kennel Club, em 24,13cm. A FCI não determina a altura mínima, mas há um consenso de que esta não deve ser inferior a 25cm. Por outro lado, cães com mais de 30cm (altura máxima pelos dois padrões) também não são recomendados. Tendem a desproporções como pernas longas, o que é incorreto, pois o Bichon deve ser mais comprido que alto.

O Bichon, como todo cão de pêlo longo, precisa de cuidados especiais para manter-se bonito e limpo.

 É absolutamente essencial que seja penteado diariamente para evitar a formação de nós. Os banhos podem ser também semanais e, se levados para a tosa em pet shops, é recomendável ressaltar que se trata de um Bichon e não de um Poodle e assim, precisa ser tosado de acordo com o padrão da raça.

A raça permite dois tipos de corte dos pêlos, sendo que a mais comum no Brasil e nos EUA, ressalta o aspecto ‘arredondado’ do Bichon é chamada de Powderpuff.

Bichon frise1

O Bichon tem alguma tendência a engordar, por isso, a sua alimentação deve ser bem orientada pelo veterinário.

Pode ainda apresentar manchas avermelhadas ao redor dos olhos e embaixo do focinho, devido à acidez das lágrimas e saliva.

Costumam apresentar alguns problemas de pele e alergias, que devem ser tratadas com orientação do médico veterinário.

 
 
 
 
 
 
 
 
Fontes : anuariocaes.com.br / dogtimes.com.br

 

 

artigos relacionados:

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *